110 bandas de rock internacional para incluir em sua playlist

Escrito por Sheila Almendros

Ah o bom e velho rock ’n’ roll! Se tem um gênero musical que representa centenas de causas, movimentos e ideologias ao longo dos anos, é o rock! E é nessa lista que você conferirá centenas de bandas internacionais do gênero que não podem faltar em sua playlist, seja pelo seu legado, por sua filosofia, ou simplesmente por sua influência e inspiração. Mesmo que algumas tenham ficado de fora desta seleção (se não ficaríamos aqui até amanhã de manhã falando sobre todas elas, não é mesmo?), vale prestar atenção em cada uma das citadas, pois certamente grande parte delas farão parte da trilha sonora de sua vida! Confira:

1. Pearl Jam

A banda grunge de Seattle estourou nos anos 1990 com o seu álbum de estreia (e de grande sucesso) Ten, e desde então nunca mais parou. Com quase três décadas na ativa, o grupo liderado pelo vocalista Eddie Vedder foi recentemente introduzido no Rock and Roll Hall Of Fame, e além de ser considerada uma das bandas mais influentes do cenário, também é conhecida por seus envolvimentos em causas sociais e ambientais.

2. Kings of Leon

O quarteto formado pelos três irmãos e um primo Followill surgiu em meados dos anos 2000 no polo musical americano: Nashville. Mas o sucesso começou mesmo lá no velho continente, quando o primeiro EP Holy Roller Novocaine caiu nas graças da crítica inglesa. O sucesso mundial veio somente em 2008, quando a banda lançou Only by the Night, com os hits Use Somebody e Sex on Fire. Este trabalho foi eleito como o melhor álbum do ano, e indicado a três Grammys.

3. Metallica

É incontável o número de sucessos que o Metallica criou desde 1981, quando a banda foi oficialmente formada, e isso está refletido nas centenas de indicações e vitórias em premiações renomadas, como Billboard Music Awards, Grammy, MTV Video e Europe Music Award, entre outros. Master of Puppets, lançado em 1986, é reconhecido como um dos maiores álbuns da história do metal, e eleito como o melhor álbum de Heavy Metal de todos os tempos pela revista inglesa Metal Hammer. Mas foi o controverso “Black Album” (originalmente lançado como “Metallica”) que eternizou hits como “Nothing Else Matters”, “Enter Sandman”, “Sad but True” e “The Unforgiven”.

4. Nothing But Thieves

Formada em 2012 em Essex, a banda Nothing But Thieves cativou o público rapidamente, ao abrir shows de artistas mundialmente conhecidos, como George Ezra e Arcade Fire. Logo eles já estavam com presença garantida em festivais de música renomados e lotando casas de shows do cenário underground não só pelo Reino Unido, como também em diversos outros continentes — inclusive no Brasil, onde tocaram em São Paulo e Rio de Janeiro em agosto de 2018. Os ingleses já lançaram dois álbuns, singles com covers de Gnarls Barkley e Jeff Buckley, e uma música emplacada na trilha sonora da série Vikings.

5. Soundgarden

Se há uma banda responsável pelo surgimento do grunge, em Seattle, sem dúvidas, é o Soundgarden. Formada em 1984, os pioneiros do movimento que marcou o rock tinha como marca registrada os rifles pesados de guitarra e a voz rasgada de seu líder, Chris Cornell, mas só atingiram o grande sucesso na década de 1990, quando Superunknown e Down on the Upside, segundo e terceiro álbum da banda, estrearam na primeira e segunda posição da Billboard, respectivamente. Atualmente, o Soundgarden possui a marca de 30 milhões de cópias vendidas de seus álbuns por todo o mundo.

6. Highly Suspect

Quando os irmãos Rich e Ryan Meyer se juntaram com o melhor amigo Johnny Stevens para formar o Highly Suspect, eles ainda focavam em tocarem covers de suas bandas preferidas em Rock de Cape Cod, Massachusetts. Mas quando todos se mudaram para o Brooklyn, em Nova York, o trabalho ganhou um peso mais sério, Stevens passou a compor diversas canções sobre sua vida, e um contrato para gravar o primeiro EP produzido por Joel Hammilton foi conquistado. Com dois álbuns lançados e um Grammy na estante, o trio excursiona desde 2015 pelos Estados Unidos e Europa apresentando o seu trabalho em casas de shows underground e grandes festivais.

7. Alice in Chains

O Alice in Chains surgiu em 1987 quando o guitarrista Jerry Cantrell e o baterista Sean Kinney decidiram buscar por mais integrantes para compor a banda, e assim como o Soundgarden, foi uma das principais responsáveis pela repercussão mundial do movimento grunge. Ao todo, foram 14 milhões de álbuns vendidos nos Estados Unidos e aproximadamente 30 milhões em todo o mundo, recebendo nove indicações ao Prêmio Grammy ao longo de sua existência. Com a morte do vocalista Layne Staley em 2002, a banda passou por um pequeno hiato, mas voltou a ativa com força total com William DuVall assumindo os vocais.

8. Nirvana

A importância do Nirvana não só para o grunge, como para o rock de uma maneira geral, é praticamente imensurável. Isso porque Kurt Cobain, líder, vocalista e principal compositor da banda foi considerado como o “porta-voz de uma geração”, e o álbum Nevermind como um dos maiores de todos os tempos em sua categoria. E mesmo com a morte de Kurt em 1994, o legado do trio permaneceu vivo, influenciando centenas de outras bandas que vieram depois deste período. Afinal de contas, quem nunca se pegou ao menos batendo o pé acompanhando a melodia da famosa “Smells Like Teen Spirit”?

9. Foo Fighters

Após a morte de Kurt Cobain em 1994, o baterista Dave Grohl até cogitou abandonar a música, mas diversas composições não divulgadas enquanto fazia parte do Nirvana o motivou a continuar no ramo, e assim surgiu o Foo Fighters. A banda lançou diversos álbuns desde 1995, emplacando muitos sucessos e recebendo inúmeros prêmios, consolidando-se como uma das bandas mais respeitadas do cenário ainda em atividade.

10. Arctic Monkeys

A banda inglesa formada em 2002 na cidade de Sheffield, tem como característica marcante a presença de palco de seu vocalista, Alex Turner. Inicialmente com ritmos mais alinhados com bandas indies que ditavam as regras na época, como The Strokes e Kings of Leon, lançaram seu primeiro álbum em 2006: “Whatever People Say I Am, That’s What I’m Not” e com “I Bet You Look Good on the Dancefloor” como primeiro single, mostrou sua relevância na cena. Hoje, mais maduros, lançaram “Tranquility Base Hotel & Casino”, com ritmos e riffs completamente diferentes dos tocados por eles até hoje.

11. Muse

Claramente tendo como principal influência o Queen, o Muse hoje é uma das bandas que melhor representa o rock de arena. É headliner de festivais em todo o mundo e possui repertório para isso. Inicialmente a banda inglesa possuía um tom mais pesado e com guitarras com mais distorção, o que com o passar do tempo foi sendo substituído por ritmos com pegada mais pop e sintetizadores. Exemplos dessa mudança? Ouça “Stockholm Syndrome” de 2003 e depois compare com “Thought Contagion” de 2018 (ambas excelentes).

12. Led Zeppelin

Banda que dispensa comentários e que, se não existisse, com certeza diminuiria essa lista, pois é influência direta de boa parte dos artistas listados aqui. Criadora de hinos como “Stairway to Heaven”, “Immigrant Song” e “Babe I’m Gonna Leave You”, possui uma das principais duplas de vocalista e guitarrista do rock, Robert Plant e Jimmy Page. Infelizmente os integrantes anunciaram o fim da banda em dezembro de 1980, após a trágica morte de John Bonham em decorrência ao consumo de álcool. Bonham até hoje é considerado um dos maiores bateristas de todos os tempos.

13. Red Hot Chilli Peppers

Um dos principais nomes da música hoje em dia, o Red Hot Chilli Peppers iniciou ainda nos anos 80 em Los Angeles. Tendo como membros desde a fundação o baixista Flea e vocalista Anthony Kiedis, construíram uma carreira sólida com o seu estilo que mistura punk, rock psicodélico e principalmente funk. A banda é relevante para o mundo da música até hoje, lançando hits em cada novo disco, como “Dark Necessities” do seu disco homônimo de 2016. Para os fãs, podem ficar empolgados, pois a banda já anunciou um novo álbum para 2019.

14. Interpol

Formada em 1997 em Nova York, tem como principal característica as guitarras indies de Daniel Kessler e o vocal marcante de Paul Banks. Após um hiato de 3 anos entre 2011 e 2014, “El Pintor” é lançado em 2014 atingindo 1º lugar na parada de Álbuns Alternativos da Billboard e 7º lugar na parada geral. Ouça “No I in Threesome”, vale muito a pena.

15. The Strokes

Uma das maiores influências nos anos 2000, foi tida como a “salvação do rock” quando surgiu, inundando a MTV com clipes, entrevistas e reportagens na época. Não era para menos: com o seu disco de estreia “The Modern Age”, emplacou o que talvez seja um dos grandes hinos do rock, “Last Nite”. Uma curiosidade é que seu baterista, Fabrizio Moretti, nasceu no Rio de Janeiro, filho de pai italiano e mãe brasileira, conhecendo Julian Casablanca, vocalista do Strokes em na sua época de escola e que posteriormente formou o grupo Little Joy, com Rodrigo Amarante do Los Hermanos no vocal (vale a pena conferir também).

16. Franz Ferdinand

Mais uma banda que explodiu no início dos anos 2000, os escoceses do Franz Ferdinand tiveram em seu homônimo álbum de estreia o maior sucesso com sua marca registrada:“Take Me Out”. O quarteto ficou em primeiro lugar nos álbuns independentes na OCC, e tocaram pela primeira vez no Brasil em 2006, abrindo os shows do U2 na turnê Vertigo.

17. Garbage

A banda da vocalista Shirley Manson foi fundada em 1993 em Madison, Wisconsin, sendo uma das principais vocalistas de sua época. Já venderam mais de 17 milhões de cópias, sendo que dessas, 4 milhões foram de seu álbum de estreia, que apresentou a música “Only Happy When It Rains”, o seu maior sucesso até hoje. Em 1999, interpretou “The World Is Not Enough”, da trilha Sonora de “007: O Mundo Não é o Bastante”, 19º filme da franquia de James Bond.

18. Greta Van Fleet

É o Led Zeppelin? Não. São influenciados por eles? Com certeza. Talvez uma das bandas mais novas dessa lista, formada em 2012 em Michigan, por Joshua, Samuel e Jacob Kiszka (sim, são irmãos) e Daniel Wagner. É impossível não comparar os vocais de Josh com Robert Plant, inclusive a comparação é tão corriqueira, que o próprio vocalista do Led Zeppelin diz que o Greta Van Fleet é o “Led Zeppelin 1” fazendo menção ao primeiro álbum de sua banda.

19. Gossip

Mais uma banda com uma grande vocalista, Beth Ditto, o Gossip é mais uma banda que alcançou o sucesso no início dos anos 2000 durante a invasão de bandas indie iniciada pelo Strokes. Com claras influências de disco, além do rótulo de indie, possui também dance-rock como característica. Para conhecer do que o Gossip se trata, ouça as excelentes “Standing in the Way of Control” e “Heavy Cross”. A banda se separou em 2016, sob a justificativa de Beth Ditto desejar dedicar-se a sua linha de roupas e projetos solo.

20. Yeah Yeah Yeahs

Outra banda vinda da Nova York do início dos anos 2000. O Yeah Yeah Yeahs é uma banda indie liderada pela vocalista e pianista Karen O. Lançou em 2003 seu primeiro disco “Fever to Tell” e em 2006 “Show Your Bones”, considerado o segundo melhor álbum do ano pela NME. Em 2009 lançou “It´s Blitz!”, quando atingiu o marco de ter seus 3 primeiros álbuns indicados ao Grammy de “Melhor Álbum de Música Alternativa”. Em 2011, se juntou a Trent Reznor, vocalista do Nine Inch Nails para regravar a música Immigrant Song do Led Zeppelin, para a trilha sonora do filme “O Homem Que Não Amava as Mulheres”.

21. Smashing Pumpinks

Apesar de ter sua formação em 1988, o Smashing Pumpkins teve seu sucesso consolidado no início dos anos 1990. Em 1993, com “Siamese Dream”, conseguiram consolidar sua posição no mainstream, quando ocorreu a explosão do grunge, estilo que foi rapidamente atribuído a banda, mesmo contra o desejo do vocalista, Billy Corgan: “nós nos graduamos de ‘o próximo Jane’s Addiction, para o ‘próximo Nirvana’ e agora nós somos o ‘próximo Pearl Jam’.”, disse na época, que durante muitos anos criticou a banda de Eddie Vedder, mesmo tendo surgido no mesmo período e participado de uma turnê composta por sua banda, Pearl Jam e Red Hot Chilli Peppers. “Eu encontrei com Eddie a algumas semanas em um show do Roger Waters, ele me disse ‘oi’ e conversamos (…) eu não quero mais ser aquele cara”, disse Corgan. Parece que a idade realmente traz sabedoria.

22. The White Stripes

Se falam que os grandes gênios do rock não têm menos de 50 anos, é porque claramente não conhecem Jack White. Sim, ele é um gênio, criador de riffs marcantes, possui diversos projetos bem-sucedidos na música e criou uma das maiores, se não maior, duplas do rock de todos os tempos. O White Stripes, formado pelos irmãos Jack e Meg White, é a definição perfeita de “menos é mais”. Somente com guitarra e bateria eles foram responsáveis pela criação de um dos maiores hits do esporte (sim, do esporte!), quem não se lembra de todas as torcidas cantando “Seven Nation Army” durante a entrada das seleções durante todos os jogos da Copa do Mundo da Rússia?

23. The Libertines

A banda inglesa The Libertines foi a resposta inglesa a invasão de bandas de garage-rock do início dos anos 2000, que encontrou no problemático e carismático Pete Doherty uma voz. “Can’t Stand Me Now” do álbum homônimo de 2004, foi considerada pela NME um dos “50 Maiores Hinos Indie de Todos os Tempos”. Em sua vida pessoal Pete teve um relacionamento tumultuoso com a modelo Kate Moss e vários boatos surgiram de um possível namoro com Amy Winehouse em 2008. A banda teve uma pausa entre 2004 e 2014, hoje continuam ativos.

24. Cold War Kids

A banda indie de Long Beach, Califórnia, foi fundada em 2004, e podemos considerá-la um caldeirão de influências: Bob Dylan, Billie Holiday, Jeff Buckley, Velvet Underground, Fiona Apple, Nick Cave, Led Zeppelin, Radiohead, The Smiths, U2 e Tom Waits (sim, todas essas são influências citadas por eles). Teve com “Loyalty to Loyalty” a melhor classificação geral nas paradas, mas o single que melhor se posicionou na categoria de Rock Alternativo dos EUA foi “First” do álbum “Hold My Home” de 2015.

25. Arcade Fire

Uma das poucas bandas canadenses dessa lista, o grupo que tem em seus shows ao vivo um dos grandes diferenciais. Com performances coloridas e extremamente performáticas, o Arcade Fire marca presença em grandes festivais mundiais. Segundo o Metacritic, o álbum “Funeral”, um dos maiores sucessos da banda, é o segundo colocado entre as listas de melhores álbuns do final dos anos 1990 e início dos 2000, somente atrás de “Kid A” do Radiohead.

26. The Kills

Mais uma grande dupla do início dos anos 2000, formada por Alison Mosshart nos vocais e Jamie Hince na guitarra, o The Kills, teve seus primeiros quatro álbuns (Keep On Your Mean Side, Now Wow, Midnight Boom e Blood Pressure) aparecendo nas principais paradas do Reino Unido. Ash and Ice, de 2016 ficou entre os 20 maiores álbuns lançados naquele ano na terra da rainha.

27. Munford and Sons

Depois do garage-rock do início dos anos 2000, veio o folk-rock do final da primeira década de 2000, e entre as bandas dessa categoria o Mumford and Sons é uma das maiores. Trouxeram com o álbum de 2009, “Sigh No More”, o hit “Little Lion Man”. Esse álbum foi inteiramente financiado pela banda, que não queria ficar preso as amarras criativas que geralmente uma grande gravadora impõe. A presença de palco é uma marca registrada destes britânicos, entregando performances viscerais e com excelentes interpretações do seu já extenso repertório.

28. Queens Of The Stone Age

Uma das principais bandas dos últimos tempos, o Queens Of The Stone Age possui uma carreira cheia de hits e polêmicas. Seu vocalista, Josh Homme, foi alvo de diversas controvérsias em sua carreira, como exemplo, em 2013, antes da banda tocar no festival organizado pelo rapper Jay-Z, Made in America, os seguranças abordaram os integrantes para uma revista antes de entrarem nos camarins. Josh disse: “se vocês quiserem nos revistar, não tocaremos hoje, portanto é decisão de vocês se vamos tocar ou não. Além do Jay-Z me entregar uma garrafa de champanhe, pedindo para eu tirar uma foto segurando-a, portanto, era uma campanha de marketing, e não um presente. Eu a quebrei”.

29. Radiohead

Radiohead é uma das mais influentes bandas de todos os tempos. Formada em 1985 em Abingdon, Inglaterra, coleciona sucessos e prêmios. Só no Grammy foram 20 indicações, levando três deles. A experimentação é marca registrada da banda, com o vocal virtuoso de Thom Yorke, que foi um dos grandes nomes do rock inglês dos anos 1990, levando seu sucesso para os próximos anos. “Creep”, de “Pablo Honey”, foi o que abriu as portas para a banda, mas eles não quiseram parar por aí, seguindo a fama desse álbum, lançaram “Ok Computer” com três grandes músicas, “Paranoid Android”, “Karma Police” e “No Surprise”, que se tornaram sucesso imediato na voz melancólica de Thom. Até hoje a banda se mantêm ativa, com cada vez mais experimentação em seus álbuns e músicas, como “Burn the Witch”, de “A Moon Shaped Pool”.

30. The National

Considerados como uma banda indie rock e post-punk revival, o The National começou timidamente se apresentando em pequenos espaços em Nova York até gravarem o seu primeiro álbum, em 2001. Foi somente em 2005, com o lançamento de Alligator, o terceiro trabalho do sexteto, que eles passaram a ser conhecidos além da roda underground da região, cativando também não só um público maior, como também os críticos do meio — não é a toa que as composições de Matt Berninger recebem inúmeros elogios até mesmo dos ouvidos mais exigentes.

31. Blur

Formada em 1988, em Londres, o quarteto liderado por Damon Albarn foi um dos líderes do Britpop, acompanhados pelo Oasis. Suas principais influências vêm do The Kinks, Beatles e The Specials. Com os hits Girls & Boys e Song 2, os álbuns Modern Life is Rubbish (1993), Parklife (1994) e Blur (1997) figuram na lista dos 1001 Álbuns Que Você Deve Ouvir Antes de Morrer. Em uma das várias pausas feitas pela banda, Albarn chegou a criar um projeto paralelo virtual, intitulado como Gorillaz (que também vale muito a pena ouvir).

32. Black Sabbath

Banda inglesa formada em 1968, pioneira do Heavy Metal, com diversos sucessos como Iron Man e Paranoid, teve sem dúvida como uma das marcas registradas o seu primeiro vocalista, Ozzy Osbourne, que saiu da banda em 1979 devido ao seu vício em álcool. Diversos nomes passaram a substituir o icônico cantor, como Ronnie James Dio (Rainbow) e Ian Gillan (Deep Purple). Tony Iommi foi o único integrante original em todas as formações, sendo considerado o 25.º melhor guitarrista do mundo, mesmo tendo próteses nos dedos devido a um acidente. Vencedora de 2 Grammy Awards, a banda se reuniu em 1997 para lançar o disco Reunion. e em 2013 o álbum 13. O fim da banda foi oficialmente selado com a The End Tour, entre 2016 e 2017.

33. U2

Impossível não se encantar com a guitarra marcante de The Edge e a voz suave de Bono Vox. Os irlandeses do U2 estão na ativa desde 1976 e marcaram essas 4 décadas com sucessos como Sunday Bloody Sunday, Stay, One e With Or Without You. A banda sustenta sua reputação no engajamento político e social, criando projetos, shows beneficentes e parcerias musicais. Com 18 álbuns lançados, Actchung Baby, Joshua Tree e Zooropa são considerados marcos sonoros, e que você precisa escutar para conhecer a fundo a essência do quarteto.

34. Queen

Iniciada em Londres no ano de 1971, a banda Queen originalmente era composta por Freddie Mercury (vocal, piano), Brian May (guitarra e vocal), John Deacon (baixo, guitarras, vocais) e Roger Taylor (bateria, vocais). Seu 4.º álbum, A Night At The Opera (1975), vendeu mais de 1 milhão de cópias e nos presenteou com clássicos como Bohemian Rhapsody e Love of My Life. Na década de 1980, a banda começou a flertar com um estilo mais dançante, com baixos marcantes, como podemos conferir em Radio Ga Ga e I Want to Break Free. Da mesma década, vale destacar a parceria com David Bowie e a maravilhosa Under Pressure, que quase não foi lançada devido a uma discussão entre a banda e Bowie. Mesmo após a morte de Freddy Mercury, em 1991, a banda continua ativa em projetos, sem a participação de John Deacon, que vive recluso com sua família.

35. The Runaways

A banda californiana formada só por mulheres, entre elas Joan Jett, autora do hit I Love Rock N’ Roll, tem entre suas canções mais conhecidas Cherry Bomb, Queens of Noise e You Drive Me Wild. Em 1977, lançaram seu segundo álbum, chamado Queens of Noise e então deram início a primeira turnê mundial. No desembarque em um aeroporto do Japão tinha tanta gente que Joan Jett descreveu como sendo algo parecido com a Beatlemania. A banda acabou oficialmente em 1979 após muitas críticas e também pela divergência de gostos entre Joan Jett, que preferia punk, enquanto Lita Ford tinha preferência pelo heavy metal, mas mesmo com a separação, The Runaways deixou a mensagem principal de que mulheres podem fazer rock and roll de boa qualidade, influenciando bandas como Go-Go’s e L7.

36. The Frames

Provavelmente a banda de Dublin ficou mundialmente conhecida depois do lançamento do filme Once, protagonizado pelo vocalista Glen Hansard e Marketa Iglova. O filme lhes rendeu o Oscar de melhor música para Falling Slowly — mas a história dos caras começou muito antes disso: The Frames iniciou suas atividades em 1990, e leva esse nome por conta de Glen sempre ter tido o costume de consertar bicicletas dos amigos, acumulando muitos quadros compostos por estes objetos em sua casa, que era conhecida como “A Casa Dos Quadros”(House of The Frames). Muito cultuada na Irlanda e tocada em diversos pubs locais, a banda passou por diversas formações, todas com membros do cenário de rock de Dublin. Seven Day Mile e Revelate figuram entre os vários hits e vale destacar a parceria de Glen Hansard com Eddie Vedder em seu projeto The Swell Season.

37. The Black Crowes

A banda de Atlanta, formada em 1989 pelos irmãos Chris e Rich Robinson, iniciou completamente na contramão do cenário musical dos anos 1990. Com os olhos direcionados para Seattle, onde surgia o movimento grunge, o Black Crowes se lança com um som tão autêntico como não se via há tempos: um blues misturado com southern / hard rock totalmente setentistas. No ano de 1990, é lançado “Shake Your Money Maker”, que se tornaria um clássico da época, e nele a atenção maior se encontra no single e cover de Ottis Redding “Hard to Handle”, mas “Sister Luck”, “Twice As Hard”, “Jealous Again” e “She Talks to Angels” provam que o talento dos irmãos vai muito além. Com tamanho sucesso na Europa, a banda embarcou para uma longa turnê, na qual o vocalista Chris desmoronou em desnutrição e esgotamento durante a passagem da banda pelo Reino Unido. The Black Crowes encerrou suas atividades, infelizmente, em 2015, deixando um legado único para a música.

38. The Black Keys

A dupla formada em Ohio por Dan Auerbach e Patrick Carney teve o seu início bastante ativo no meio underground no começo dos anos 2000. O álbum de estreia The Big Come Up veio no ano seguinte, gravado totalmente no porão da casa do Patrick em um gravador de fita cassete dos anos 1980, e mesmo com o amadorismo de sua produção, foi muito bem recebido pelo público local. Ao longo dos anos, The Black Keys marcou presença em inúmeros festivais, e também abriram shows de diversas bandas renomadas, abrindo portas para o público mundial, até que o álbum El Camino, lançado em 2011, mostrou toda a essência da banda, entrando para a posição número 12 na lista dos 50 melhores álbuns do ano.

39. Imagine Dragons

A “Banda Revelação de 2013” e “Melhor banda de 2017” eleita pela Billboard nasceu em Las Vegas em 2008, e desde então só lançou hits atrás de hits. Impossível não conhecer logo de cara as batidas de Radioactive, Believer e Thunder, sem notar rapidamente que se trata do Imagine Dragons, não é mesmo? E por serem uma máquina de fazer sucessos, o quarteto foi gentilmente convidado para integrar a trilha sonora de “Missão Impossível, Efeito Fallout”, com a canção Friction.

40. Incubus

Com quase 30 anos de história, o Incubus já lançou tantos trabalhos incríveis, e cada um deles mostra o quanto a banda se reinventa ao longo dos anos. Desde 1990, quando começaram fazendo covers de Metallica e Megadeth, os integrantes já se arriscavam a criar suas próprias canções, misturando o rock com eletrônico, hip-hop e funk. Com o segundo álbum S.C.I.E.N.C.E, de 1997, o Incubus iniciou uma nova etapa da carreira, tocando em festivais ao lado de bandas conceituadas, como Soulfly, Korn, Limp Bizkit e System of a Down, e desde então mostra ao seu público que criatividade é o que não falta em suas composições.

41. Audioslave

A união entre o vocalista Chris Cornell (Soundgarden) e alguns integrantes do Rage Against the Machine resultou no Audioslave, uma banda com identidade totalmente diferente de suas respectivos outros trabalhos, temperando suas melodias com um pouco do hard rock dos anos 1970 e uma pitada do rock alternativo dos anos 1990. No total foram três bem-sucedidos álbuns lançados, três indicações ao Grammy e o título de primeira banda norte-americana a tocar em um local aberto em Cuba. Delicie-se ao som de Like a Stone, Be Yourself e Show Me How to Live, músicas essas que não sairão da sua cabeça!

42. Silverchair

Com influências de Pearl Jam e Nirvana, o Silverchair nasceu em 1992 quando Daniel Johns, Chris Joannou e Ben Gillies tinham apenas 16 anos. Com uma levada grunge e poucos acordes, o trio australiano ganhou uma competição musical com a música Tomorrow, responsável pelo sucesso mundial da banda. Atualmente, o Silverchair está em um longo e interminável hiato (desde 2011), mas durante todo o período que estiveram na ativa, lançaram cinco diferentes álbuns, passeando por diversas vertentes musicais.

43. Bush

Enquanto o grunge dominava o cenário do rock mundial, nascia o Bush, uma banda inglesa formada por Gavin Rossdale e Nigel Pulsford, em 1992. O primeiro álbum independente foi gravado no ano seguinte e lançado em 1994, intitulado como Sixteen Stone, e a música Machinehead se tornou sucesso imediato nos EUA. Razorblade Suitcase, o segundo trabalho da banda, foi o empurrão que faltava para o quarteto dominar as paradas de sucesso internacionais, e Swallowed tocou insistentemente nas rádios e permaneceu por sete semanas no topo da Modern Rock Tracks. Em 2002, os ingleses encerraram as suas atividades, mas em 2010, Gavin se reuniu com o baterista Robin Goodridge, adicionou dois integrantes novos e lançaram Everything Always Now, depois de muitos problemas envolvendo uma crise interna da gravadora, mas que de forma alguma influenciou na qualidade deste novo trabalho.

44. Korn

O nu metal se tornou uma febre mundial no final dos anos 1990, mas muito antes disso nascia o Korn, principal precursor do gênero. Desde o lançamento do primeiro trabalho da banda em 1994, o grupo bateu a marca de aproximadamente 35 milhões de álbuns vendidos, sendo que sete deles atingiram certificação de platina nos EUA. Capriche no volume ao escutar Freak on a Leash e Falling Away from Me, principais hits da banda.

45. Slipknot

Outro sucesso do nu metal é o Slipknot e seus integrantes mascarados. A energia vibrante dos músicos em cima do palco durante os shows é a principal marca registrada da banda, abrindo portas para festivais renomados como Ozzfest, Download Festival, Mayhem Festival, Rock am Ring, Hellfest e Graspop Metal Meeting. All Hope Is Gone (2008) e 5: The Gray Chapter (2014) foram álbuns responsáveis por catapultar o grupo para o topo de várias paradas musicais mundiais, incluindo o Billboard 200, e em 2006 a música Before I Forget ganhou o prêmio de Best Metal Performance no Grammy.

46. Rage Against The Machine

De 1991 a 2011, o Rage Against The Machine fez inúmeras pausas, até decretarem o fim definitivo da banda, e durante este período, centenas de canções com visões políticas revolucionárias de esquerda foram lançadas, angariando fãs pelo mundo todo, que lhe renderam 16 milhões de discos vendidos. Quando foram chamados para abrir o Lolapalloza em 1993, tinham lançado o primeiro álbum há apenas um ano, mas foi o tempo suficiente para reunir um público com um número respeitado de pessoas. A última aparição da banda no Brasil foi em 2010 no festival SWU, realizado em Itu (São Paulo), onde centenas de pessoas marcaram um número recorde de público naquela edição — e que ficou famosa depois que a plateia invadiu a área VIP do evento durante o show.

47. Green Day

Quando os primeiros ensaios do Green Day começaram em 1987, a banda ainda era chamada de Sweet Children, mas depois de dois anos, com o lançamento do álbum de estreia do trio, o nome foi mudado para o que nós conhecemos hoje (ainda bem, né?). Os primeiros shows foram na 924 Gilman Street, na California, lugar comumente frequentado por adoradores do punk rock, mas somente com o lançamento de Dookie, em 1994, que o sucesso comercial bateu na porta, e She, Basket Case e When I Come Around tornaram-se presença constante na MTV e nas paradas de sucesso. Mesmo com um som totalmente diferente da proposta inicial da banda, o Green Day atingiu uma respeitada imagem devido ao seu grande (e divertido) legado.

48. Cake

Classificada como uma banda de rock alternativo, o Cake é muito conhecido por suas letras irreverentes, recheadas de ironias e contornadas por sons de trompetes, enquanto John McCrea enuncia seus versos. Ao todo, foram sete álbuns lançados, e seus maiores hits são Never There, Short Skirt/Long Jacket, Frank Sinatra, e o famoso cover de Gloria Gaynor, I Will Survive.

49. The Offspring

Formada em 1984 na California, o Offspring detém dois títulos um tanto quanto icônicos: o álbum Smash é o mais vendido de todos os tempos por uma gravadora independente, enquanto a música Pretty Fly (for a White Guy) é a canção mais baixada da história da Internet. As maiores influências desta banda que também é influente são Ramones, Bad Religion e Sex Pistols, que inspiraram Dexter Holland e sua turma a criarem sucessos como Self Esteem, Why Don’t You Get a Job? e Gone Away.

50. Van Halen

Quando os irmãos Eddie e Alex resolveram montar uma banda em 1972 em Pasadena, eles nem imaginavam que ocupariam a 19ª posição na lista dos maiores vendedores de discos nos EUA com o álbum de estreia, nem tão pouco que seriam o grupo com mais singles a chegarem ao topo do Hot Mainstream Rock Tracks, muito menos que seriam uma das cinco bandas de rock a ter dois de seus discos certificados com o Disco de Diamante nos Estados Unidos. Ainda acha pouco? E se eu te contar que ao todo, o Van Halen já vendeu mais de 90 milhões de cópias de discos no mundo, mesmo com a constante troca de vocalista ao longo dos anos, e que foram incluídos no Rock and Roll Hall of Fame em 2007? Esse é só um resumo bem básico dos feitos realizados pelos responsáveis de sucessos como Jump, I Can’t Stop Loving You, entre outros hits.

51. Collective Soul

Formada em 1992 em Stockbridge, a banda Collective Soul alcançou o estrelato com o sucesso Shine, lançado no ano seguinte de sua estreia, e até hoje marca presença no cenário underground. Ao todo, são oito álbuns gravados em estúdio, quatro compilações e diversos singles, sendo o último trabalho inédito gravado em 2009. Mesmo há muito tempo sem novas composições, o Collective Soul ainda promove shows por todo os EUA.

52. Weezer

Firmemente presente no cenário alternativo, o Weezer garante boas músicas e uma trajetória consolidada desde 1992, quando lançaram o seu álbum de estreia. Ao todo, foram mais de 25 milhões de cópias vendidas no mundo, e diversos prêmios conquistados desde então, como MTV Video Music Awards, Billboard e Grammy. Apesar de não lançarem trabalhos inéditos com bastante frequência, a banda costuma marcar presença em diversos festivais e turnês pelo mundo afora, mantendo, os fãs sempre por perto. Recentemente, o quarteto lançou o elogiado cover Africa, da banda Toto.

53. No Doubt

Você já imaginou que um relacionamento que não deu certo poderia render tamanho sucesso para uma banda? Foi isso o que aconteceu com o No Doubt. Formada no final da década de 1980, o grupo atuava como cover da banda Madness, e em 1992 lançaram o seu primeiro trabalho autoral, com forte influência grunge e ska. Mas a fama mesmo só veio em 1995, quando o álbum Tragic Kingdom, baseado no início e fim do relacionamento entre a vocalista Gwen Stefani e o baixista Tony Kanal, foi lançado, catapultando a banda para as primeiras colocações mundiais com os hits Don’t Speak, Just Girl e Spiderwebs.

54. Coldplay

Apesar de ser considerada uma banda de rock alternativo, o Coldplay se popularizou bastante desde que Yellow se tornou um dos maiores hits de sucesso do grupo. Fundada em 1996 no Reino Unido, quando Chris Martin e Jonny Buckland ainda eram alunos da University College London, a fama só chegou mesmo em 2000, depois que alguns eps já tinham sido lançados. Desde então os britânicos despontaram um sucesso atrás do outro, como Fix You, Viva la Vida e Magic.

55. Sublime with Rome

Após a morte do vocalista Bradley Nowell, em 1996, o Sublime decidiu encerrar as suas atividades. Anos mais tarde, precisamente em 2009, os integrantes remanescentes retornaram aos palcos, em parceria com o vocalista Rome Ramirez, formando assim o Sublime with Rome. Apesar de manterem boa parte do repertório com canções da formação antiga, a banda lançou dois álbuns inéditos, o Yours Truly, em 2011 e Sirens, de 2015.

56. System Of a Down

Também conhecida como SOAD, a banda californiana iniciou as atividades em 1994, e se tornou famosa por suas visões políticas e sociais, e também por utilizarem instrumentos incomuns em suas músicas, como guitarra barítona, mandolins elétricos, sitar, violões de doze cordas, entre outros. “B.Y.O.B.” é uma das músicas responsáveis pela popularização comercial da banda, e venceu o prêmio de Melhor Performance Hard Rock em 2006. Apesar de não fazerem muitas aparições atualmente, seus discos já venderam cerca de 40 milhões de cópias em todo o mundo.

57. The Cure

Uma das bandas mais influentes do rock teve a sua era de ouro na década de 1980 e 90, com sucessos como Friday in Love, Close to Me, Boys Don’t Cry e Just Like Heaven, todas compostas e produzidas por Robert Smith, único integrante fixo do The Cure. Em 2004, a marca de 30 milhões de cópias em todo o mundo, sendo 1.1 milhão de vendas certificadas somente no Reino Unido, foi batida, transformando-a em uma das bandas alternativas de maior sucesso da história.

58. Scorpions

A primeira banda de hard rock surgiu na Alemanha Ocidental em 1965, fundada pelo guitarrista Rudolf Schenker. Ao todo, foram aproximadamente 75 milhões de álbuns vendidos no mundo inteiro desde a sua estreia em 1972, com o álbum Lonesome Crow. Com o sucesso de sua primeira turnê mundial em 1974, o Scorpions foi considerado como uma das melhores bandas de hard rock ao vivo, e dez anos depois, lançaram a balada Still Loving You, que a consagrou definitivamente nas paradas internacionais mais importantes do meio musical.

59. Whitesnake

Difícil não reconhecer os vocais melódicos de David Coverdale quando Is This Love ou Here I Go Again começam a tocar. O vocalista, que trouxe a banda a influência do blues rock de sua antiga banda Deep Purple, conseguiu criar uma identidade personalizada ao Whitesnake, bem mais comercial e marcante, fazendo com que este seu novo projeto emplacasse quatro álbuns consecutivos entre os Top 10 mundiais: Ready an’ Willing, de 1980, Come an’ Get It, de 1981, Saints & Sinners, lançado em 1982 e Slide It In, sucesso em 1984.

60. The Cult

Foi em Bradford, na Inglaterra, que o The Cult nasceu, precisamente em 1983, quando Ian Astbury, Billy Duffy, Jamie Stewart e Ray Mondo se juntaram para criar a Death Cult. No mesmo ano, um EP com quatro músicas foi lançado, e no ano seguinte, um pouco antes da banda se apresentar em um programa de TV, Ian decidiu mudar o nome para The Cult — tirando assim a impressão “gótica” que o público poderia ter. Depois de muitas brigas, idas e vindas de alguns membros, ao grupo encerrou as atividades em 1994, mas o convite para participar da Trilha Sonora do filme 60 segundos reacendeu a paixão dos integrantes pela música, e “Painted on My Heart” além de ter sido um grande sucesso, foi o pioneiro pela volta da banda a ativa.

61. Counting Crows

Apesar do grande sucesso de Mr. Jones na década de 1990 (e ter sido uma das músicas mais tocadas da época) e ter mais de 20 milhões de álbuns vendidos no mundo, o Counting Crows é considerada uma banda de rock alternativa. Falando em sucessos, hits como “Accidentally in Love” (trilha sonora da animação Shrek) e “Big Yellow Taxi”, gravado em parceria com a cantora Vanessa Carlton, podem ser facilmente ouvidos até hoje nas rádios, e provavelmente ficarão por muito tempo gravadas na sua memória.

62. Oasis

A banda criada pelos irmãos Gallangher sobreviveu até meados de 2009, mas mesmo com tantas brigas entre Noel e Liam ao longo dos 18 anos de sua existência, o Oasis conseguiu criar um legado indiscutivelmente respeitado para o rock não só britânico, como mundial. Foram sete álbuns recordistas de venda, somando cerca de 70 milhões de cópias vendidas, além de diversos prêmios e até um título no livro Guinness World Records, como “Mais Longo Top 10 nas Paradas Britânicas por um Grupo”, já que foram 22 hits entre as 10 primeiras posições no Reino Unido. Agora está explicado porque Wonderwall, Don’t Look Back In Anger e Stand by Me são tão conhecidas até hoje por pessoas de diferentes faixas etárias, não é mesmo?

63. Candlebox

Ainda no cenário grunge nasceu a Candlebox, formada em 1990 em Seattle. Seu álbum de estreia, lançado em 1993, foi sucesso imediato, ganhando quatro discos de platina ao longo do ano. Hits como “Far Behind” e “You” foram insistentemente tocadas nas rádios americanas na época, o que levou a banda a abrir shows para Aerosmith, Metallica, entre outras renomadas. O quarteto se dissolveu no ano 2000, mas em 2006, quando a Rhino Records lançou uma compilação do Candlebox, os integrantes da primeira formação se reuniram para uma longa turnê de divulgação, e acabaram retomando as atividades, para o delírio dos fãs.

64. Slayer

A história do Slayer começou na Califórnia em 1981, quando os guitarristas Jeff Hanneman e Kerry King decidiram que estava mais do que na hora formarem uma banda. Cinco anos depois o primeiro trabalho foi lançado, e “Reign in Blood” foi considerado pela revista Kerrang como “o álbum mais pesado de todos os tempos”. Isso porque os complexos solos de guitarra, rifles irregulares e bumbo duplo a inconfundível marca registrada da banda no movimento thrash metal.

65. Pantera

Ao longo dos 22 anos de trajetória, 40 milhões de cópias foram vendidas dos nove álbuns lançados pela banda, com suas composições pesadas ao estilo power-groove. Somente no quarto disco que Phill Anselmo assumiu os vocais, e o trabalho de maior repercussão comercial, Cowboys from Hell, já contava com seus guturais. As constantes brigas entre os integrantes causaram a ruptura do grupo em 2003, e qualquer esperança de retorno acabou em 2004, quando o guitarrista e fundador do Pantera, Dimebag Darrell, foi brutalmente assassinado.

66. Megadeth

O Megadeth é uma banda americana de heavy metal fundada em 1983 em Los Angeles pelo vocalista David Mustaine, ex Metallica. Mesmo com a constante troca de integrantes no grupo, o sucesso veio rapidamente, ganhando disco de ouro e platina em seu álbum de estreia, em 1985. Atualmente, Mustaine conta com a participação de um grande guitarrista brasileiro em sua tripulação — Kiko Loureiro, do Angra, e o último álbum Dystopia, lançado em 2016, ganhou o prêmio “Best Metal Performance” no Grammy do ano seguinte.

67. Hole

Com canções que abordam temas como problemas de identidade, imagem corporal, feminilidade e exploração sexual, o Hole marcou presença forte na cena indie, principalmente na década de 1990, e se tornou uma das bandas mais bem sucedidas com uma mulher na liderança. Celebrity Skin, lançado em 1998, rendeu quatro indicações ao Grammy, e alguns rompimentos foram anunciados ao longo dos anos devido a forte personalidade de sua vocalista, a polêmica Courtney Love. Entre idas e vindas, o Hole encerrou as atividades em 2012, mas desde 2014 Courtney e Eric Erlandson dão a entender que uma nova reunião não está descartada.

68. Sonic Youth

Os amantes do rock alternativo têm como uma das principais bandas de respeito da cena o Sonic Youth, que misturam o noise, post-punk e avant garde em sua melodia de forma harmônica e inesquecível. As experimentações melódicas são a principal marca destes nova-iorquinos, e ainda contam com influências de punk e hardcore. O quinteto trabalhou ativamente entre os anos de 1981 a 2011, e lançaram quinze álbuns de estúdio ao longo da carreira.

69. Live

Talvez esta é a banda que escolheu o seu nome da forma mais aleatória possível: durante um ensaio, os integrantes escreveram diversos nomes em um papel, colocaram todas as opções em um boné e sortearam um deles. Pronto! O quarteto foi batizado de Live! A história de Ed Kowalczyk, Chad Taylor, Patrick Dahlheimer e Chad Gracey começou em 1988 na Pensilvânia, quando os amigos do colégio decidiram montar uma banda com músicas próprias. Alguns anos depois o primeiro álbum foi lançado, financiado pelos próprios integrantes, e desde então contam com composições baseadas nos escritos do filósofo indiano Jiddu Krishnamurti, assinadas por Ed, entre outras ideias de tons ideológicos e espirituais. Não deixe de conhecer também as inspiradíssimas Pain Lies on the Riverside e Operation Spirit, grandes e respeitosos clássicos do Live.

70. Placebo

O Placebo é uma banda que surgiu em Londres, mas a verdade é que somente um de seus integrantes é da Inglaterra, enquanto os outros são de países distintos: Bélgica, Suécia, Luxemburgo e Suíça. Essa salada europeia rendeu bons frutos, já que estamos falando de uma banda alternativa carregada de personalidade e ótimas composições. Afinal de contas, como resistir as batidas agudas de Pure Morning e a melancólica Special Needs?

71. Blind Melon

Um belo dia, Axl Rose chamou o seu amigo Shannon Hoon para contribuir com os vocais de November Rain e Don’t Cry, durante as gravações do álbum Use Your Illusion. Na época, o Blind Melon gravava o seu primeiro álbum, e Shannon não fazia ideia que tal participação resultaria em uma boa divulgação para a sua banda, e assim o primeiro hit No Rain foi parar no 3.º lugar na Billboard, e o disco bateu a marca de 2 milhões de cópias vendidas em pouquíssimos meses. Mas antes mesmo do segundo álbum Soup (1995) começar a ser divulgado, Hoon é encontrado morto em um ônibus da turnê em Nova Orleans, depois de sofrer uma overdose de cocaína, o que mudou completamente o destino da banda. Após uma longa pausa, o Blind Melon retornou as atividades em 2010.

72. The Cranberries

Apesar de ser considerada uma banda de rock alternativo, The Cranberries passeia por diversas vertentes, entre eles indie pop, post-punk, folk e dream pop. O auge do quarteto irlandês chegou logo com o álbum de estreia Everybody Else Is Doing It, So Why Can’t We?, que se tornou comercialmente rentável nos EUA na década de 1990, com os sucessos Linger, Dreams, entre outros hits. Zombie, Ode to My Family e Salvation são outras canções que não podem faltar em sua playlist, para eternizar na memória a doce voz da vocalista Dolores O’Riordan, encontrada morta em 15 de janeiro de 2018, em Londres.

73. Living Colour

Ao escutar qualquer música do Living Colour, você se deparará com inúmeras referências de estilos, que passeiam entre o hard rock, o heavy metal, o punk, funk e o jazz. Essa vivacidade somada ao vocal potente de Corey Glover, chamou a atenção de ninguém mais, ninguém menos de Mick Jagger, líder da banda Rolling Stones, responsável por dar uma mãozinha ao quarteto para assinarem um contrato com a Epic Records, em 1988. Vivid, o álbum de estreia, atingiu a sexta colocação nas paradas norte-americanas, e a canção Cult of Personality chegou a ganhar um Grammy. O sucesso mundial chegou mesmo com o trabalho seguinte, lançado em 1990 como Time’s Up, que trouxe o hit (e também premiado pelo Grammy) Love Rears Its Ugly Head. Cinco anos depois, a banda anunciou que encerraria as atividades, mas para o delírio dos fãs, o hiato só durou apenas cinco anos.

74. Aerosmith

Uma das bandas que mais representa o rock norte-americano, o Aerosmith possui uma longa história, envolvendo sucesso e alguns problemas de seu vocalista e líder Steve Tyler, que praticamente faliu a banda no começo da carreira pelo uso abusivo de drogas. Mas depois de superada tal crise, “Os garotos maus de Boston” (como eram chamados) levam ao público uma pegada hard rock com um leve toque de blues. Foram mais de 150 milhões de álbuns vendidos ao redor do mundo, tornando-se a banda que mais vendeu na história dos EUA, e entre os clássicos você não pode deixar de ouvir Dream On, Walk This Way, Livin’ on the Edge e a famosa Crazy.

75. Guns’n Roses

Foi na badalada Los Angeles que nasceu o Guns’n Roses, em 1985, uma das bandas mais influentes do hard rock americano. Não é para menos, já que os caras venderam mais de 100 milhões de cópias em todo o mundo, sendo 33 milhões só do disco de estreia Appetite for Destruction. Com um vocal inconfundível e solos de guitarra marcantes, o Guns levou ao seu fiel público clássicos inesquecíveis como Welcome To The Jungle, Patiences, November Rain e Sweet Child O’ Mine. Diante do sucesso do movimento grunge, a fama da banda sofreu um leve declínio, e entre tantas brigas entre o líder Axl Rose e os outros integrantes, houveram um entra e sai de pessoas, mas até hoje o grupo se mostra ativo e participa de diversos festivais pelo mundo.

76. Pixies

A banda preferida de Kurt Cobain foi idealizada por Black Francis e Joey Santiago, que em 1986 colocaram um anúncio no jornal procurando outros possíveis integrantes para formar o Pixies. Dois anos depois, mesmo que timidamente, o quarteto passou a chamar a atenção da imprensa americana, e o primeiro LP Surfer Rosa foi considerado como o melhor álbum alternativo do ano pelos críticos. Mas foi no auge deste sucesso que as brigas internas começaram, e o fim da banda chegou em 1992. Porém, doze anos depois, sem Kim Deal, o Pixies voltou com força total, e desde então já lançaram dois álbuns de inéditas.

77. The Wallflowers

The Wallflowers surgiu em 1990 tendo como principal líder o vocalista Jakob Dylan (sim, ele é filho de Bob!). Seu início foi totalmente despretensioso, já que a banda tocava todas as quintas-feiras no Canter’s, em Los Angeles, onde grupos como 10,000 Maniacs, Spin Doctors, Cracker e Toad the Wet Sprocket frequentavam, e logo se encantaram pelas canções melódicas do quarteto, chamando-os para abrirem seus shows. Apesar de ter sido muito bem recebido pelo público e crítica, o primeiro álbum homônimo vendeu apenas 25 mil cópias, mas One Headlight e 6th Avenue Heartache foram insistentemente tocadas nas rádios. Por conta de divergências entre os integrantes, o Wallflowers entrou em um longo hiato, mas nunca anunciaram oficialmente o término da banda, e até chegaram a lançar um álbum de inéditas em 2012.

78. The Verve

A história do The Verve começou em 1989, mas somente três anos depois que o primeiro EP foi lançado, no auge do britpop. No terceiro álbum que o reconhecimento mundial chegou, quando os violinos impactantes da deliciosa Bitter Sweet Symphony caíram nas graças do público, e mal sabiam eles que a razão deste auge lhe renderiam um gravíssimo processo, já que Mick Jagger acusou-os de plagiar um “sample” da música The Last Time, e todos os royalties pela execução da canção passou a pertencer ao líder do Rolling Stones. Alguns anos depois, em 1999, por conta do desgaste do relacionamento dos músicos, The Verve chegou ao fim, retomando as atividades em 2007, mas apenas 10 meses depois do lançamento do 4.º disco da banda, os ingleses decidiram por encerrar definitivamente um dos grupos mais controversos da Europa.

79. R.E.M.

O R.E.M. é uma das bandas pioneiras do rock alternativo a experimentar o sucesso no mainstream, e durante seus numerosos e grandiosos shows pelo mundo, sempre se preocupou em levar as questões política e ambiental para o grande público. As músicas Losing My Religion (a mais famosa da banda) e Shiny Happy People, gravada em parceria com o B’52, foram muitíssimo premiadas, e entre algumas das vitórias, podemos citar os três Grammys e seis MTV Video Music Awards. Depois disso houveram sucessos atrás de sucessos, até o anúncio do fim da banda, em 2011, com uma singela, porém tocante mensagem: “Aos nossos fãs e amigos: como R.E.M., e como grandes amigos e colaboradores, decidimos nos separar como banda. Nós nos despedimos com um grande sentimento de gratidão, completude e orgulho de tudo que conquistamos. A qualquer pessoa que se sentiu tocada pela nossa música, nossos maiores agradecimentos por ouvir”.

80. Bad Religion

Sem dúvidas, o Bad Religion foi a banda responsável por colocar de volta em evidência o punk rock, no final da década de 1980. O estilo, que andava no esquecimento até então, ganhou uma nova e considerável leva de fãs, quando No Control (1989) e Against the Grain (1990), quarto e quinto álbum do grupo, foram lançados por uma grande gravadora. Entre os clássicos da banda estão American Jesus, 21st Century e Sorrow.

81. Snow Patrol

Se existisse o título de “rock universitário”, certamente o Snow Patrol o deteria. Isso porque a banda começou dentro de uma universidade e tocando para universitários, lá em meados de 1994, na Escócia. Durante muitos anos, o grupo atuou fervorosamente no cenário underground na Europa, mas ganhou popularidade quando a música Chasing Cars foi incluída em um dos episódios da segunda temporada de Grey’s Anatomy. Por consequência disso, a banda apareceu em diversos programas musicais, como Top of the Pops, Live from Abbey Road e Saturday Night Live. Atualmente o Snow Patrol trabalha na divulgação do álbum Wildness, e é uma das bandas confirmadas para o Lolapalloza Brasil 2019.

82. Semisonic

O Semisonic foi criado pelos membros remanescentes da banda Trip Shakespeare, em 1995. Eles ganharam bastante visibilidade ao terem suas músicas incluídas em diversos filmes, como Despertar de um Pesadelo e o sucesso teen 10 Coisas que eu Odeio em Você. A música Closing Time foi incansavelmente tocada em rádios do mundo todo, e Secret Smile foi eleita como a música favorita nas rádios do Reino Unido no verão de 1999.

83. Stereophonics

Outra banda do cenário britpop que ainda vive é o Stereophonics, do Reino Unido. O quarteto está reunido desde 1992 e já estão em seu décimo álbum de músicas inéditas, trazendo o melhor do rock progressivo de sua geração. Para entender o estilo diferenciado de Kelly Jones e seus parceiros, não deixe de ouvir Maybe Tomorrow e Dakota.

84. The Cardigans

The Cardigans vai muito além de seu sucesso Lovefool, acredite. Com influências de música clássica, trip hop, heavy metal, blues, new age, folk e country, o grupo sueco se reinventa a cada álbum lançado, que vai desde o indie-pop do álbum First Band on the Moon, passando pelo eletrônico no introspectivo Gran Turismo até chegar no desplugado Long Gone Before Daylight. Com certeza você terá uma música para cada momento do seu dia — não deixe de escutar as faixas Overload e Erase / Rewind.

85. Half Moon Run

Formada em Quebec, no Canadá, a banda de indie rock Half Moon Run oferece um trabalho sólido e com bastante personalidade desde 2010 — basta ouvir com atenção faixas como Turn Your Love ou Narrow Margins e ter a comprovação. O quarteto já participou de festivais renomados pela Europa, Austrália e América do Norte, e abriram shows para Mumford & Sons, City and Colour, Of Monsters and Men, entre outros.

86. Glass Animals

Composta por Dave Bayley, Drew MacFarlane, Edmund Irwin-Singere Joe Seaward, o Glass Animals é provavelmente uma das bandas mais novas desta lista, tendo o seu primeiro álbum lançado em 2014. Mesmo novatos, a banda inglesa de indie rock já possui em seu currículo os maiores festivais do planeta, como Glastonbury, Coachella, Bonnaroo e Lolapalloza. Aliás, foi este último que trouxe o quarteto para o Brasil em 2017.

87. Steppenwolf

Um dos maiores hinos do rock’n’roll e dos motociclistas de todo o mundo pertence ao Steppenwolf, quarteto canadense que ficou conhecido não só por este icônico hit, como também por ser a primeira banda heavy metal da história. Entre idas e vindas desde 1967, o grupo lançou 19 álbuns, entre trabalhos inéditos, coletâneas e registros de shows ao vivo, fidelizando os seus numerosos fãs ao longo dos anos. Atualmente, a banda segue carreira com quase todos os músicos diferentes da formação original, e atendem pelo nome de John Kay and Steppenwolf.

88. The Killers

Parece que a água de Las Vegas tem algum encanto, já que essa é a segunda banda incluída nesta lista vinda da cidade americana que é uma máquina de fazer hits. O The Killers lançou o seu primeiro álbum em 2004 e imediatamente obteve uma boa resposta não só do público como também da crítica. As batidas oitentistas de Somebody Told Me e Mr. Brightside são pequenas demonstrações do estilo da banda, que usa e abusa de sintetizadores em suas composições, dando a elas uma característica bastante dançante. Não deixe de conhecer também as deliciosas Shot at the Night e Smile Like You Mean It.

89. Of Monsters and Men

Quando o Of Monsters and Men ganhou o Músíktilraunir em 2010, uma batalha de bandas que acontece todos os anos na Islândia, eles não imaginavam que alcançariam o sucesso mundial em tão pouco tempo. O álbum de estreia My Head Is an Animal chegou a primeira posição na Austrália, Islândia, Irlanda, e em sexto lugar na Billboard 200, logo no ano seguinte desta vitória. Tudo graças ao sucesso Little Talks e sua batida animada, a qual dificilmente te deixará parado. A banda marcou presença na edição de 2016 do Lolapalloza Brasil, e deixou os seus fãs encantados por suas melodias tocadas ao vivo.

90. Iron Maiden

Os amantes do bom e velho heavy metal nunca negarão: o Iron Maiden é uma das bandas mais importantes e aclamadas do meio. Apesar de iniciarem as atividades em 1975, o sucesso bateu na porta destes ingleses somente em 1982, com o lançamento do álbum The Number of the Beast, que se tornou um clássico do gênero, com as músicas Run to the Hills, 22 Acacia Avenue, Hallowed Be Thy Name e a que leva o nome do disco. Até hoje o grupo segue ativo, e marca presença nos principais festivais de rock, como Rock in Rio, Monsters of Rock, Ozzfest, Wacken Open Air, Gods of Metal, entre outros.

91. Blondie

Liderada pela belíssima vocalista Debbie Harry, os nova-iorquinos do Blondie foram os pioneiros dos gêneros punk rock e new wave, com seus dois primeiros bem sucedidos álbuns. Até o lançamento de Parallel Lines, em 1978, a banda era tida como um grupo underground nos EUA, até estourarem com as músicas Call Me, Atomic e Heart of Glass. Mais tarde, as referências de disco e pop foram comumente encontradas em suas canções, como Heart Of Glass e The Tide Is High. Recentemente, o Blondie fez o seu primeiro show no Brasil, no festival Popload.

92. Alabama Shakes

Tendo como principal característica o blues rock, o Alabama Shakes conta com o peso vocal da incrível guitarrista Brittany Howard, tal qual chamou a atenção não só do público, como também de grandes críticos. A banda recebeu três indicações para o Grammy Awards 2013, por Melhor Performance de Rock e para o single Hold On, e levaram para casa o prêmio de Melhor Gravação do seu primeiro álbum, Boys & Girls. Já na edição de 2016, o grupo venceu nas categorias de Melhor Álbum Alternativo, Melhor Música de Rock e Melhor Performance de Rock, e o prêmio técnico de melhor engenharia de som de disco não-clássico. Os dois trabalhos inéditos valem ser ouvidos faixa a faixa, curtindo a bebida que você mais curte, e relaxado em sua poltrona mais confortável.

93. Vintage Trouble

Pense em uma banda que produz um bom rock com pitadas de R&B, blues e soul. Agora imagine os seus integrantes no maior estilo retrô, revivendo os bons anos de 1950 e 60. Agora traga-os para os dias atuais e você terá o Vintage Trouble, com suas empolgantes, intensas e refrescantes canções que prometem não te deixar parado um segundo sequer. O álbum The Bomb Shelter Sessions veio em 2011 para marcar a estreia da banda em grande estilo, já que a boa aceitação do público abriu portas para que os caras abrissem shows para The Who, Rolling Stones e AC/DC. Os dois álbuns seguintes comprovou o que muitos já sabiam: que o Vintage Trouble veio para ficar, e em 2016, os brasileiros tiveram uma amostra do que tem a oferecer no Lolapalloza, onde tiveram uma ótima recepção da plateia durante todo o show.

94. Halestorm

Lzzy Hale e Arejay Hale eram crianças quando decidiram que queriam ter uma banda, e ainda na adolescência, lançaram o EP Do Not Mess With the Time Man, em 1999. Mas foi somente em 2004 que o Halestorm se tornou de fato uma banda completa, com membros fixos (e sem as participações especiais do pai no contrabaixo) e shows marcados. A banda leva um som com o mais puro hard rock, e levou o prêmio de Melhor Performance de Hard Rock/Metal por Love Bites (So Do I) no Grammy de 2013.

95. Dave Matthews Band

David John Matthews trabalhava como bartender quando conheceu o advogado Ross Hoffman. Guarde esse nome, pois foi ele o responsável por incentivar Matthews a concluir suas canções inacabadas e enfrentar a sua relutância de tocar ao vivo. Dave não só ouviu os conselhos de seu bom amigo, como também deslanchou a criar inúmeras músicas, uma mais linda que a outra, que resultaram em nove álbuns bem sucedidos, lançados desde 1994. Santo Ross, não é mesmo?

96. Triggerfinger

O trio belga formado em 1998 pode ser reconhecido pelo cover do clássico I Follow Rivers, mas é em músicas como By Absence of the Sun e Let It Ride que você conhecerá a fundo o estilo da banda, que é comparada a Queens of the Stone Age pelo público mais jovem, e Led Zeppelin pelos fãs mais velhos. Independentemente de qual banda estes sons irão te remeter, não deixe de ouvi-las e tirar as suas próprias conclusões!

97. The Rolling Stones

Talvez este quarteto britânico dispensa qualquer tipo de comentário, já que estamos falando de uma das mais importantes bandas de rock de todos os tempos, certo? The Rolling Stones surgiu em uma época na qual as mudanças comportamentais dos jovens durante os anos 1960 tiveram uma grande influência da música, sendo assim frequentemente relacionados com a contracultura e rebeldia daquele público. Desde 1962 até os dias atuais, venderam mais de 240 milhões de álbuns no mundo inteiro, e até 2007, quatro das cinco turnês de maior bilheteria e lucro de todos os tempos, eram dos Rolling Stones. Precisa dizer mais alguma coisa?

98. The Who

Você pode até não conhecer muito do The Who, mas certamente já escutou uma de suas músicas sem saber, nas aberturas de CSI, CSI Miami e CSI Nova York. Mas não se engane, pois a fama desta banda inglesa veio muito antes da popularização das séries citadas. Aliás, muito antes mesmo, precisamente em 1964! O dinamismo no palco é a principal marca registrada deste grupo power pop, que conceituou o rock europeu com os icônicos álbuns Tommy & Live At Leeds e Quadrophenia, tornando-se referência para inúmeras outras bandas das gerações seguintes, incluindo Eddie Vedder, o respeitado vocalista do Pearl Jam, banda esta que sempre toca Baba O’Riley no encerramento de seus shows.

99. Beatles

Os Beatles fizeram parte de uma febre jamais repetida no cenário musical (momento este que até ganhou o apelido de Beatlemania), e com certeza foram peça fundamental para o crescimento do rock’n roll na história da música. Sem eles, provavelmente diversas bandas nem teriam existido, fincando assim a sua grande importância inquestionável. Apesar do pouquíssimo tempo juntos (apenas 10 anos), John, Paul, Ringo e George transformaram uma geração inteira com suas músicas de ideais progressistas, e sua influência se estendeu até as revoluções sociais e culturais da década de 1960, juntamente com os Rolling Stones. Mesmo com o encerramento de suas atividades, anunciada em 1970, o legado deste quarteto inglês perpetuou por décadas até os dias atuais.

100. Flogging Molly

Ao ouvir Flogging Molly você certamente acreditará que está curtindo o som de uma típica banda irlandesa, mas na verdade o grupo surgiu na California. Somente Dave King, o vocalista, é nascido em Dublin, onde viveu até os 20 anos, mas foi o suficiente para trazer toda a referência folk para a sua banda americana. O mais engraçado é que a o Flogging Molly surgiu sem nenhuma pretensão de alcançar o sucesso, e eles acabaram se desenvolvendo como músicos e compositores tocando em um bar de Los Angeles chamado Molly Malone. A casa vivia lotada e isso incentivava os integrantes a se aperfeiçoarem cada vez mais, e mesmo não fazendo parte do cenário musical comercial, conseguiram alcançar notoriedade entre os amantes do bom e velho rock.

101. Eagles of Death Metal

O projeto paralelo de Josh Homme, líder do Queens of the Stone Age, em parceria com Jesse Hughes começou em 1998, mas somente em 2004 que a banda lançou o seu álbum de estreia, já com Homme afastado devido os seus compromissos com o QOTSA. A música I Only Want You foi destaque na trilha sonora do jogo Gran Turismo 4, e Don’t Speak (I Came to Make a Bang!) em Need for Speed: Carbon, mas a popularidade entre o público fora do mundo dos gamers veio em 2015, com o cover da música Save a Prayer. A banda marcou presença no palco do Lolapalloza em 2016, meses depois de sofrerem um atentado durante um show realizado em Paris.

102. The Doors

O rock psicodélico do The Doors se tornou referência para o mundo da música, principalmente por narrarem as aventuras vividas por seu vocalista Jim Morrison, como nas canções Break on Through (To the Other Side), Light My Fire, People Are Strange e Riders on the Storm. A popularidade da banda continuou, e na verdade até aumentou, mesmo com a dissolução em 1972, depois da tentativa fracassada de continuar o trabalho mesmo após a morte de Jim. Ao todo, foram mais de 100 milhões de cópias vendidas em todo o mundo, deste legado que se tornou um clássico do rock’n roll.

103. Motörhead

Em 2015, o mundo chorou a morte de Lemmy, um dos músicos mais emblemáticos da história do rock. Líder do Motörhead desde a sua formação, em 1975, foi protagonista de grandes clássicos, como Ace of Spades, Hellraiser e Killed By Death, que levaram a banda a ser considerada a precursora da Nova Onda do Heavy Metal Britânico. Ao todo foram 22 álbuns de estúdio, 10 gravações ao vivo, 12 compilações e 5 EPs ao longo de 40 anos de história, e até 2012, haviam batido a marca de 15 milhões de cópias vendidas no mundo todo.

104. Nico Vega

A fantástica música Beast é uma amostra da verdadeira identidade de Nico Vega: muita potência e personalidade. Foram dois álbuns lançados até então e cinco EPs gravados pela Five Seven Music e MySpace Records, desde 2006. Grande parte das músicas foram compostas por Aja Volkman, que escreve desde o ensino médio, e foi a vocalista a responsável por anunciar em 2016 que a banda entraria em um hiato indefinido, postando em sua página oficial do Facebook “Eu não posso dizer que está acabado para sempre, porque ninguém sabe o futuro. Mas é isso por agora”.

105. Faith No More

A pausa de 11 anos do Faith no More fez bem a Mike Patton e cia, já que o retorno triunfal da banda parece ter sido feito com gás total por todos os músicos envolvidos. Centenas de shows e participações em festivais foram garantidos desde 2009 (incluindo o Rock in Rio de 2015 e o SWU de 2011), tocando seus clássicos Epic, Easy, Evidence, entre outros sucessos lançados desde 1979. Em maio de 2015, o Faith no More lançou Sol Invictus, um trabalho com 10 canções inéditas, quebrando de vez a ressaca criativa de uma das bandas mais influentes dos anos 1980.

106. Keane

Inspirados em Queen, Beatles, Ramones, U2, Depeche Mode, A-Ha, Oasis, R.E.M., The Smiths e Radiohead, os ingleses do Keane fazem um rock alternativo com bastante balanço e composições profundas. Juntos desde 1995, a banda foi premiada no Brit Awards em fevereiro de 2005 como Melhor álbum britânico por Hopes and Fears, e já registraram a marca de 700 shows em mais de 40 países no mundo todo. Atualmente, a banda segue em um temporário hiato, enquanto Tom Chaplin cuida de sua carreira solo.

107. Graveyard

Os suecos Joakim Nilsson, Rikard Edlund, Axel Sjöberg, e Truls Morck formaram o Graveyard em 2006, e no decorrer dos anos, cativou os principais críticos musicais com suas canções hard rock. Seis anos depois, a banda conquistou o notório reconhecimento no cenário do rock underground mundial, com a ajuda da insistente divulgação de seus fãs. Não deixe de ouvir a balada Too Much Is Not Enough e também a deliciosa The Siren — você se apaixonará de cara!

108. Thirty Seconds To Mars

Liderada pelo também ator Jared Leto, o Thirty Seconds To Mars atua desde 1998, produzindo rock alternativo, mas passeando pelas vertentes comerciais do gênero. A banda conta com composições não só de Jared, mas também de seu irmão Shannon, com influências de Pink Floyd, Kiss e Alice Cooper. O álbum de estreia veio em 2002, que vendeu cerca de dois milhões de cópias. Ao todo foram cinco discos lançados, e a banda já ganhou diversos prêmios, incluindo o MTV Video Music Awards, Teen Choice Awards e Grammy Pull Down.

109. Nine Inch Nails

Apesar de ser considerada uma banda, o Nine Inch Nails é composta por um único músico fixo, o produtor, cantor, compositor e multi-instrumentista Trent Reznor. Ele é responsável por toda a criação e execução de seus álbuns, chamando uma banda de apoio para acompanhá-lo durante as turnês. O rock industrial cuidadosamente criado por Reznor costuma abordar temas como introspecção, desespero, exclusão social, e críticas às religiões. Quem gostou muito de tais criações foi o cantor Johnny Cash, que regravou uma das composições mais profundas de Trent, a belíssima Hurt.

110. AC/DC

Malcolm e Angus Young devem se orgulhar diariamente pelo legado que produziram desde 1973, quando decidiram fundar o AC/DC, uma das maiores e mais respeitadas bandas de rock de todos os tempos. Apesar de Highway to Hell ter sido um álbum bem sucedido, Back in Black foi o mais vendido (cerca de 50 milhões de cópias), enquanto For Those About to Rock (We Salute You) tornou-se o primeiro álbum da banda a atingir o 1º lugar nos Estados Unidos. Foram 19 discos lançados ao longo dos anos, sendo o último um presente para os fãs em 2018, que há 4 anos não ouvia nada inédito da banda.

Já está com os fones de ouvido preparados para curtir cada uma dessas bandas?